sábado, 17 de junho de 2017

Ritinha ou Jeiza?


Ritinha ou Jeiza ?

Com a cabeça cheia de problemas e vendo o jornal nacional que só traz desgraças eu desaguo na novela pra ver Ritinha... Já que não posso tê-la me coloco no lugar do rapaz bonitão (Zeca) que tem um baita problema pra resolver: Ritinha ou Jeiza? E já fico achando os meus problemas uma bobagem diante dos dele... Égua! Eu com minhas broncas e ele nesse dilema amoroso terrível! Já pensou meu caro amigo, tu moras em Parazinho (não é nenhum paraíso não), tens um caminhão e uma sereia, sim! Uma sereia que nada de frente, nada de costas, se enrosca com os botos e outras travessuras mais, e é linda! Uma beleza espontânea de gente do interior, gosta da vida simples e tem uma curiosidade maior que o rabo (da sereia); essa moça te mete uma galha e casa com um “mauricinho” da cidade grande, foge no dia do casório e você fica chorando teu chifre dentro do caminhão atolado... Que merda né? Mas Deus é grande! Você vem pra cidade e se ajeita com a Jeiza, pense em uma mulher bonita e gostosa, pensou? Então repense a maravilha dando porrada em todo mundo e ainda sendo PM, com um cachorro babão do lado dela, mais braba que uma capota choca, um siri na lata!

 Agora vem o pior: a tal Ritinha vai dar um pé na bunda do marido e vai querer de volta o para-choque do caminhão (bem mais duro e eficiente) do Zeca, e o nosso herói está amarrado na policial, você ficaria com quem? Na cama eu imagino a sereia dando suas rabanadas e a policial te aplicando uma chave de P... (quase falei), qual das duas você escolhe? Na rua eu sou mais a Jeiza, se um malandro mexer com ela você diz pra ele, todo empinado, “Tu vais levar muita bordoada!”, e o negão levanta a mão pra matar a mosca (você) e, nessa hora, Jeiza entra em ação aplicando um Arm-lock voador no monstro! Que delícia de cena... Já com a Ritinha tu vais ficar calado e enfiar teu rabo entra as pernas pra não dançar o carimbó na frente de todo mundo, que vergonha... E aí, vais escolher quem? A Jeiza não vai te chifrar, a Ritinha vai; a Jeiza te protege, a Ritinha não; a Jeiza é muito mais imponente, a Ritinha mais alegre, etc... Pense, pense, pense muito... E escolha a que tiver o rabo mais bonito! Vamos esperar pra quando a novela mostrar mais detalhes desse atributo, até lá se contente em ver a novela de Temer no poder, essa vai durar muito mais! Bem que a Marcela temer podia fazer uma pontinha na novela...

terça-feira, 16 de maio de 2017

O pré-idoso



O pré-idoso

 O pré-adolescente todos conhecem e reconhecem! São difíceis por natureza hormonal, incomodam os que convivem com eles: isolam-se, agridem quando querem, sonham com o futuro incerto, não reconhecem os valores da vida social, se masturbam para descobrir a sexualidade e avançam para o pior: a adolescência. Aí o bicho pega de vez o nariz cresce mais que os rostos, espinhas vão assombrar os dermatologistas mais experientes, o primeiro beijo roubado, a primeira decepção amorosa, ídolos muitos e definitivos, pizzas, cachorro quente, mostarda e ketchup, etc...
 O pré-idoso eu estou começando a conhecer agora, é aquele bonitão com seus 60 e poucos anos, que com muito esforço vai “adolescer” com 70 e poucos. São difíceis por natureza mesmo, ainda se acham jovens e competentes, mas o espelho incomoda muito, pelas rugas e “elefantíase”, quando tudo cresce pra baixo (nariz, orelhas, barriga e o pinto); não se isolam! Pelo contrário querem aparecer, um topete novo, uma pintura no cabelo, um rolex no pulso e um carrão na garagem, eles sonham... O futuro é certo: aposentadoria! Aí o bicho pega, ele faz conta e chora, vê que vai ficar fudido antes dos 70 anos, lê os jornais e se desespera... Reconhecem os valores sociais e sofrem de inveja crônica, “aquele babacão do colégio está podre de rico, como pode? Ele sempre ficava na segunda época”, “boca de caçapa era feio pra caralho e casou com a gostosa da Patrícia”, e por aí vai. Não se masturbam mais, só com uma azulzinha é que o “Pedrão” acorda, Pedrão hoje está um samba acabado, diminuiu e ficou tímido, um nerd! Só quer ver besteira no computador e dorme que é uma beleza! O seu colega de junto o famoso “duas bolas” cresceu muito, doe ao sentar na cadeira dura do metrô, na calça jeans nem pensar! Beijo roubado nunca mais! A carteira sim! Essa tem que ser carregada na frente, junto do Pedrinho, com todo o cuidado pra não sair de lá. Decepção amorosa não comentamos, só a decepção com a parceira botocada, cheia de silicones e gastando mais em cremes do que você em whisque 18 anos (ela queria ter), uma tristeza... Pizza, cachorro quente, etc, pode esquecer! Caganeira na certa! Uma fugida para tomar uma casquinha de sorvete no shopping até pode, sem ninguém ver, certo? Essa é a vida do pré-idoso, um sujeito que se acha o Fodão e mal dá uma fodinha, um ridículo, tal qual o pré-adolescente, quase um idoso... Depois escrevo sobre o pré-defunto, se eu chegar lá!


 Fui...

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Para as mães

Por vezes sonho com ela 
Já se foi para virar anjo
Por vezes acordo na noite
Já sentindo seu olhar protetor 

Uns dias são tão normais 
Outros tão diferentes e choro
Nas lágrimas ela traz o sabor doce
No doce da saudade a saudade de seu doce 

Mãe que virou anjo e protege 
Abençoe as que por aqui estão 
Faça seus filhos dizerem perdão 
E desse perdão colha o amor 

Amor de filho não chega aos pés
Do amor maior , amor de mãe 
Um filho pode até virar santo 
Mas, anjo, anjo mesmo só sendo mãe

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Sofro pelo Rio de Janeiro

Sofro por morar no Rio
Sofro de amores por ele
E, também, por dissabores..

Sofro ao ver o homem olhando o mar
Vejo tristeza nos olhos do possível desempregado
Vejo também o sofrimento eterno dos picolés
Carregados nos braços dos que sobrevivem

A tristeza me invade ao ver tanto verde e,
lá, do ladinho, as casas dos que foram excluídos
No telhado um gato preto, no chão cachorro magro
O Rio que era feliz e ataulfamente falando não sabia

Vejo sangue nas ruas que eram brindadas em sambas
Vejo a mulata grávida do namorado sem esperança
Penso no que vejo e vejo no que penso
Desilusão

Danço eu, dança você a dança da solidão...
Solidão de ser abandonado pela cidade corroída
Solidão de ficar em casa, com medo de respirar na tv
A morte nossa de cada dia

terça-feira, 2 de maio de 2017

Quando chega o mês de maio



Quando chega o mês de maio me apaixono
Uma paixão sem explicação...
Será porque é o mais feminino do ano ?
Será porque é o que beija todas as mães?
Ou será pela beleza celeste das noivas ?

Não sei, só sei que o céu fica mais azul claro 
Que a brisa da manhã invade minha janela 
Ar frio de preguiças mil, dá vontade de ficar
Ficar na cama, amar os livros, sonhar acordado 

Não sei se esse amor trará frutos 
Como um caqui vermelho que nos brinda
Não sei se esse amor me trairá como outros 
Tomo um vinho tinto e penso

Mês mulher, mês amor, venha aplacar meu coração!
Coração sofrido de amores queimados no verão, aguados no Jobim de março e constatado mentira no duro Abril 

Venha senhora de tantos carinhos e ternura 
Venha ser a rainha da minha esperança 
Venha floridamente, francesamente mulher
Brincar de amor comigo 

Merci

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Dia das mães



Está chegando o dia das mães, quem ainda as tiver faça uso ! Beije muito e chore se puder, agradeça a Deus por tê-la do seu lado, mesmo de longe ela tem esse poder! Seja um bom filho e , no seu abraço infindo, lembre-se dos que não podem mais fazê-lo..

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Carioca sofrido



Quando seus passos são apressados
Quando seu olhar circula como um farol
Quando seu coração pulsa no peito pequeno 
Quando a respiração não te satisfaz 

Você está andando no Rio de Janeiro 

Atras de ti há uma sombra e um medo
Atras do muro um ser oculto, outro lá 
Atras do outro lá tem mais um outro
Atras do poste, na esquina, é o teu pavor

Você está andando no Rio de Janeiro 

Na tua frente o mar, o sol brilha e reflete 
Na tua frente passa a morena distraída 
Na tua frente um sinal, um menino descalço 
Na tua frente vidro, do lado vidro, uma moto

Você está dirigindo no Rio de Janeiro 
Um barulho, um estampido, um tiro !
Você ainda está vivo no Rio de Janeiro 
Um desespero, um calafrio, uma alegria 

Dessa vez não foi você, carioca sofrido 

Do Rio de Janeiro...


Foto de Vitor Marigo